ABRACE

nov 8 Abrace Programas Preventivos e Olweus Bullying Prevention Program juntos no Brasil.

abraceprogramaspreventivos_olweusbullyinpreventionprogram

A Abrace Programas Preventivos, responsável também pelo projeto Escola Sem Bullying, acaba de trazer para o Brasil o mais importante programa de combate ao bullying do mundo, o Olweus Bullying Prevention Program. 

Durante o mês de outubro, a equipe que compõe a diretoria da instituição participou da especialização em Prevenção ao Bullying pela Clemson University, na Carolina do Sul nos Estados Unidos, e certificou a Abrace como a primeira e única instituição da América Latina a ser capacitada e especializada internacionalmente no tema.

O Olweus Bullying Prevention Program é o mais completo programa de prevenção ao bullying, e a partir de agora fará parte do Escola Sem Bullying, somando ainda mais com a composição da metodologia do projeto já aplicado no Brasil.

Para conhecer mais sobre o projeto Escola Sem Bullying pelo Olweus Prevention Program, entre em contato conosco: contato@abraceprogramaspreventivos.com.br

olweusbullyingpreventionprogram-abraceprogramaspreventivos

olweusbullyingpreventionprogram_abraceprogramaspreventivos

 

 

 

 

 

nov 7 Paraná é um dos Estados com mais casos de bullying no Brasil – Entrevista Benjamim Horta para rádio BandNews.

O caso registrado em Goiânia na última semana, de um aluno de uma escola particular de 14 anos que abriu fogo contra os colegas dentro da sala de aula porque sofria bullying, reacende a discussão no país sobre o tema. Dois estudantes morreram e outros quatro ficaram feridos.

Apesar de parecer distante por ter ocorrido no centro-oeste do Brasil, o problema é de todos. A prática vai muito além das limitações geográficas e é motivo de alerta também no Paraná, onde 48,5% dos estudantes se consideram vítimas desse tipo de agressão.

Os números fazem parte da Pesquisa Nacional de Saúde Escolar, publicada em agosto de 2016 pelo IBGE, e como os dados fazem do Estado um dos que têm a pior situação, a BandNews procurou o criador do projeto Escola Sem Bullying, Benjamim Horta, que também é diretor-fundador da Abrace Programas Preventivos, para falar sobre o assunto. Ele conversou com Daiane Andrade.

Ouça a entrevista: http://bandnewsfmcuritiba.com/parana-e-um-dos-estados-com-mais-casos-de-bullying-no-brasil/

Fonte: Rádio BandNews

nov 5 Com jogos tradicionais e de mesa, colégio de Bogotá ensina direitos humanos.

Fonte: Educação Integral

No colégio Benjamín Herrera, a liberdade de pensamento e religião, a igualdade e o respeito são temas comuns na hora do intervalo, momento em que, ao redor das mesas, os estudantes se reúnem para participar de diversos jogos de mesa.

Não se trata de jogos clássicos. São versões originais, pensadas e desenhadas pelos próprios jovens, que em sua dinâmica fazem alusão aos direitos humanos e a problemáticas que os transgridem, como a violência ou a discriminação.

A iniciativa é parte do projeto “Construamos um mundo em harmonia de direitos e deveres“, liderado pelos professores Jairo Salamanca e Miguel Plazas, cujo propósito é contribuir para a formação integral da comunidade a partir da promoção, divulgação e cumprimento desses princípios e liberdades.

Jairo e Miguel, dois docentes convencidos do poder da educação para transformar os indivíduos e seu entorno, apostaram no jogo como estratégia para formar  uma nova geração de estudantes para quem o respeito deve primar na hora de se relacionar uns com os outros. Por essa prática pedagógica, foram indicados ao prêmio Campartir al Maestro em sua edição de 2016.

“Antes, no colégio, tínhamos muitos conflitos de convivência. Por isso pensamos que, através deste tema, do lúdico e da investigação, poderíamos motivar os estudantes a transformar a forma de se relacionar. E creio que conseguimos: hoje há respeito e tolerância”, explica Jairo.

Jogar os dados pelos direitos humanos

A regra é fácil. Para poder avançar a quantidade de casas que indicam os dados um desafio deve ser superado: responder corretamente uma pergunta sobre direitos humanos. Assim se joga ludo no colégio de Puente Aranda, com a oportunidade de refletir, divertir-se e aprender ao mesmo tempo.

Para os que preferem jogos tradicionais com mais “ação” também esta a opção da rana*.O estudante David Díaz criou e modificou as regras do jogo de tal forma que as pontuações só são somadas se o jogador responder corretamente a determinadas perguntas. Por que os direitos foram inventados? O que é direito à família? Como pode se promover os direitos na sociedade? O trabalho é um direito ou um dever? São algumas das questões que podem ser destinadas àqueles que acertam o lançamento.

No pátio há jogos para todos os gostos, como uma versão própria de Uno, um bingo e uma loteria clássica, todos desenhados pelos estudantes com diferentes materiais. Os criadores não dissimulam seu entusiasmo e para estimular a participação de mais crianças e inventaram prêmios ou reconhecimentos, criando uma verdadeira competição.

“Todos gostam de bingo porque jogam com a sorte e com os conhecimentos para ganhar”, diz um dos inventores dessa versão, enquanto seu companheiro enuncia cada uma das bolinhas sorteadas.

“Se esses jogos chegassem a outros colégios de Bogotá, poderíamos gerar um grande impacto na convivência escolar”, afirma o professor Jairo, após explicar que desta forma os descansos no colégio Benjamín Herrera se converteram em espaços lúdicos de aprendizagem nos quais a igualdade, a tolerância e o respeito, a não discriminação e a não violência são temas cotidianos entre os estudantes.

*Em espanhol, rã. Trata-se de um jogo onde deve se lançar uma moeda e acertá-la dentro da boca de uma rã feita, em geral, de metal ou madeira.

Texto de Andrés Moncada publicado na plataforma colombiana Compartir Palabra Maestra. Tradução: Dafne Melo.