ABRACE

Notícias

jun 26 ‘Introversão não é algo a ser curado’

Psicóloga americana lança ‘O poder dos quietos para jovens’ com dicas para pais e professores

foto_introversao_globo
Introvertida de carteirinha, Susan Cain já teve pavor de falar em público, mas sua palestra sobre o assunto no TED Talks tem mais de 17 milhões de visualizações. O segredo? Ela finge. Ou melhor, adota um personagem para essas situações, e diz em entrevista ao GLOBO que isso não é ruim. Tanto que lançou um livro para que crianças e adolescentes conheçam estratégias como esta para sobreviver num mundo onde o falatório é cada vez maior.

Como você começou sua “revolução quieta”? Em que idade?

Eu tenho sido introvertida por toda a vida, embora não tivesse um nome para isso. Acredito que a maioria dos introvertidos está ciente de que tem um temperamento diferente do que é socialmente esperado. Esta é uma espécie de missão de direitos civis para mim. Introvertidos são para extrovertidos o que as mulheres eram para os homens nos EUA de 1950 — cidadãos de segunda classe cheios de talento inexplorado.

Quais são as vantagens de ser introvertido?

A maioria das mentes mais criativas é introvertida, e isso acontece porque a solidão é um elemento crucial da criatividade. Produzir trabalho profundo e original muitas vezes requer ficar sentado, pensando, bolando estratégias. Extrovertidos e introvertidos são igualmente inteligentes, mas pode ser mais difícil para os extrovertidos se sentarem para terminar um trabalho. Introvertidos também são pensadores cuidadosos que planejam seus atos. Extrovertidos são mais de aproveitar o momento. Em uma cultura econômica que encoraja as pessoas a correrem tantos riscos, os dois tipos são necessários.

Qual é a diferença entre tímidos e introvertidos?

Timidez, em oposição à introversão, tem a ver com o medo do julgamento social negativo, tem a ver com a preocupação excessiva do que os outros pensam de você. A introversão é a opção pela quietude, por menos estímulos. A timidez é desconfortável, a introversão não. É possível ser introvertido sem ter esses medos, e também ser tímido e extrovertido. Os traços se sobrepõem, embora os psicólogos controlem até que ponto. Na prática, muitos introvertidos também são tímidos — mas muitos não são.

Como uma pessoa introvertida pode ser sociável sem fingir?

Eu constantemente finjo. Quando, por exemplo, eu tenho que fazer um discurso, ir a algum encontro do trabalho ou dar uma festa, eu finjo. Não acho que isso seja uma coisa ruim — o psicólogo Brian Little fala da necessidade que todos nós temos (inclusive os extrovertidos) de compor personagens para desempenhar papéis pelo bem do trabalho ou das pessoas que amamos. Extrovertidos têm que fazer isso também, quando têm que sentar para escrever um memorando enquanto preferiam estar conversando com seus colegas. O problema não é de vez em quando desempenhar outro papel, mas negarmos quem somos ou achar que tem algo errado com nossas escolhas. É legal nos obrigarmos a ir a festas de aniversário dos nossos amigos, mas não é legal nos sentirmos culpados quando ficamos em casa lendo no sábado à noite.

Você daria algumas dicas aos pais de crianças quietas?

Não apenas aceitem seus filhos introvertidos, deliciem-se com isso. Crianças introvertidas geralmente são gentis, criativas e interessantes, desde que estejam em condições favoráveis a elas. Não superprotejam seus filhos, mas lembrem-se de que as crianças introvertidas precisam percorrer um longo caminho até serem capazes de alçar voo. Elas geralmente desenvolvem grandes paixões, então cultivem esse entusiasmo: o engajamento intenso em alguma atividade leva à felicidade, e um talento bem desenvolvido gera autoconfiança. Lembrem-se que o que serve a um não serve a todos, então, se seu filho prefere pequenas comemorações no aniversário, com um ou dois amigos mais próximos em vez da turma toda da escola, ótimo. Vá desde cedo a eventos sociais. Deixe a criança sentir como se os outros tivessem se juntado a ela num espaço que ela domina, em vez de ter que introduzi-la em um grupo pré-existente.

E para os professores?

Não pensem em introversão como algo a ser curado. Se uma criança introvertida precisa de ajuda com habilidades sociais, ensinem ou recomendem um treinamento extraclasse, exatamente como fariam com um estudante que precisasse de reforço em matemática ou leitura. E celebre essa criança quieta por quem ela é. Alguns grupos de trabalho na sala de aula são até benéficos para alunos introvertidos, mas devem ser pequenos — em dois ou três — e estruturados cuidadosamente para que cada um tenha seu papel. Não coloque essas crianças sentadas em áreas de grande interação da sala: eles não ficarão mais extrovertidos por estarem ali, se sentirão ameaçados e terão problemas de concentração.

Há diferença em ensinar crianças introvertidas e extrovertidas?

Extrovertidos tendem a gostar de movimento, estimulação e trabalho colaborativo. Já os introvertidos preferem palestras, tempo de inatividade e projetos independentes. O ideal é misturar isso de forma justa. Na discussão em sala de aula, o professor pode, por exemplo, fazer uma pergunta e, em vez de fazer com que os alunos respondam a ele, pedir que falem calmamente com os vizinhos sobre a resposta. Depois, o professor pode pedir aos alunos que compartilhem as suas respostas com toda a classe — os estudantes mais reticentes são mais propensos a falar com o grupo depois de conversar calmamente com um parceiro. Outra boa opção é usar técnicas de ensino on-line. Desse modo, as crianças podem revelar seus pensamentos, ideias e e-mails como não fariam na discussão ao vivo. E uma vez que participaram on-line, eles são mais propensos a se engajar na aula também.

Fonte e foto: O Globo.

maio 15 Prefeitura de Suzano adere ao Projeto Escola Sem Bullying, da Abrace Programas Preventivos

benjamim_horta_prefeitura_suzano_sao_paulo_projeto_escola_sem_bullying

Com o tema “Práticas Pedagógicas de Prevenção ao Bullying”, formação foi destinada a professores, supervisores e diretores da rede municipal de ensino; objetivo da iniciativa é dar início ao Projeto Escola Sem Bullying, da Abrace Programas Preventivos, e um processo de conscientização dos educadores contra a prática da perseguição e da discriminação entre alunos no ambiente escolar

 

A Abrace – Programas Preventivos promoveu, na noite desta terça-feira (9 de maio), uma capacitação para educadores da rede municipal de ensino de Suzano-SP sobre “Práticas Pedagógicas de Prevenção ao Bullying”. O encontro  teve como objetivo dar início ao processo de conscientização dos professores contra a prática da perseguição e da discriminação entre alunos no ambiente escolar, o bullying.

Com duração de pouco mais de três horas, a formação foi destinada a professores, supervisores de ensino e diretores da rede de ensino local. Na oportunidade, a empresa curitibana apresentou os fundamentos teóricos e práticos sobre o bullying, fornecendo, inclusive, materiais didáticos que serão trabalhados com os alunos das escolas municipais com o Projeto Escola Sem Bullying, da instituição.

Entre as atividades a serem desenvolvidas com os estudantes de Suzano, serão apresentados 150 livros paradidáticos. Vão participar da atividade educandos dos 3ºs, 4ºs e 5ºs anos do ensino fundamental. Já aos alunos dos 1ºs e dos 2ºs anos, serão aplicadas dinâmicas de grupo sobre valores como empatia, amizade, compreensão e tolerância entre as crianças.

Segundo Franciss, a palestra de ontem precedeu um programa de combate ao bullying que está sendo implantado em Suzano. Inclusive, a cidade administrada pelo prefeito Rodrigo Ashiuchi é a primeira do Estado de São Paulo a aderir à iniciativa. O gestor ressalta, ainda, que o projeto não vai gerar custos aos cofres públicos, uma vez que as despesas com livros e as qualificações profissionais estão a cargo da instituição Abrace.

O secretário de Educação de Suzano lembra que, há dois anos, existe uma lei federal (13.185/2015) que prevê que todos os municípios desenvolvam programas e mecanismos para coibirem o bullying no ambiente escolar.

Fonte: http://suzano.sp.gov.br/web/instituicao-abrace-promove-palestra-sobre-prevencao-ao-bullying-a-professores-da-rede-de-ensino-de-suzano-sp/

abr 27 Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying é instalada na Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados instalou, hoje (27), a Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e outras Formas de Violência em parceria com a Abrace Programas Preventivos. Criada e presidida pelo deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP), a intenção é desenvolver um trabalho conjunto entre pais, professores, especialistas e legisladores para disseminar a cultura de paz a começar do ambiente escolar.

“Os reflexos do jogo Baleia Azul e da série 13 razões, da Netflix, demonstram que nós precisamos lançar um olhar de mais atenção para o que está acontecendo no universo da criança e do adolescente. Esta frente tem papel fundamental na identificação de propostas legislativas que tenham a pretensão de levantar muros de proteção, como também de mobilização do Parlamento para provocar o Executivo, propondo políticas públicas de prevenção em forma de campanhas, além de buscar diálogo com a sociedade, com o Ministério Público, com o Judiciário, entre outras instituições”, defendeu Lucena.

O parlamentar, que criou e presidiu a mesma frente na legislatura passada, lembrou que a atuação da frente foi muito importante na aprovação da lei de combate ao Bullying (Lei nº 13.185). A nova norma caracteriza claramente as situações de agressão física, psicológica e moral que podem ser consideradas bullying e estabelece regras para definir casos de intimidação realizados por meio da internet.

Durante o evento, foi realizado o seminário “Bullying: da urgência à oportunidade formativa”. O diretor da Abrace Programas Preventivos, Benjamin Horta, explicou que bullying é um conjunto de ações agressivas, intencionais e repetitivas, adotados por um ou mais alunos contra outros alunos. “O aluno está sofrendo bullying quando é exposto a ações negativas de forma repetitiva e apresenta nesta dinâmica dificuldades de se defender”, disse.

benjamim_horta_abrace_programas_preventivos_bullying_frente_parlamentar

Benjamim Horta – diretor da Abrace – Programas Preventivos, instituição responsável pelas ações de combate ao bullying junto à Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e Outras Violências.

Já a professora do Departamento de Psicologia da UFPR), Dra. Lis Soboll, afirmou que a sociedade hoje está centrada nos valores do “reino do dinheiro” onde o trabalho, consumo e tecnologia são fontes de identidade e que há uma crise na relação com o outro. “A consequência são crianças e jovens órfãos de pais ricos e com a sua identidade fragmentada. É uma crise de identidade extremamente danosa”, disse Soboll.

Uma ferramenta virtual colaborativa será disponibilizada para traçar ações e disseminar boas práticas, buscando fortalecer parcerias e dar apoio direto aos profissionais da área.

Sobre o Bullying no Brasil

Pesquisa realizada pelas Nações Unidas mostra que quase metade (43%) das crianças e jovens brasileiras já sofreu bullying por razões como aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem. A taxa é semelhante a outros países da região: Argentina (47,8%), Chile (33,2%), Uruguai (36,7%) e Colômbia (43,5%). Em países desenvolvidos, a taxa também gira em torno de 40% a 50%, como é o caso de Alemanha (35,7%), Noruega (40,4%) e Espanha (39,8%). O levantamento foi realizado no ano passado com 100 mil crianças e jovens de 18 países.

abr 19 Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e Abrace promovem seminário em Brasília.

Abrace Programas Preventivos marcará presença em evento brasiliense sobre bullying juntamente a Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e outras Formas de Violência

O evento será realizado no dia 27 de abril. A instituição é a nova responsável pelas ações da Frente

Abrace – Programas Preventivos, instituição paranaense que previne e combate o bullying em ambientes corporativos e escolares, está prestes a dar um longo passo em direção ao Distrito Federal. No dia 27 de abril, ela estará presente no seminário da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e outras Formas de Violência, que marcará o relançamento da Frente. O evento se preocupará em discutir o tema “Bullying: da urgência à oportunidade formativa” e terá como palco o auditório Freitas Nobre, anexo IV da Câmara dos Deputados, em Brasília.

Neste ano, a Abrace foi convidada para assumir as ações da Frente, fundada em 2016 para conscientizar segmentos públicos, privados e do terceiro setor sobre o real significado do bullying, além de acompanhar e fiscalizar programas e políticas públicas governamentais direcionados ao enfrentamento do problema. Para abraçar essa responsabilidade, o diretor-fundador da instituição paranaense comparecerá ao evento brasiliense compondo a mesa com convidados e, compartilhando com os presentes sua expertise no assunto, acumulada durante os anos de trabalho e estudo, dedicados ao tema.

A Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e Outras Formas de Violências, que será lançada em 27 de abril no Congresso nacional, pretende desenvolver um trabalho conjunto entre pais , professores, especialistas e legisladores para disseminar a cultura de paz a partir do ambiente escolar.

A partir do lançamento será disponibilizada uma ferramenta virtual colaborativa para traças ações e disseminar boas práticas, buscando fortalecer parcerias e dar apoio direto aos profissionais da área.

Frente_Parlamentar_Combate_Bullying

mar 30 Palestra “Sexualidade e Gênero no Contexto Escolar e Bullying Escolar”

No dia 31/03/2017, o Sesc Caiobá promoverá palestra intitulada “Sexualidade e Gênero no Contexto Escolar e Bullying Escolar”.

O evento é voltado aos professores da rede municipal de algumas cidades do litoral.

Dessa forma, considerando termos hoje seis licenciaturas, cada curso pode indicar 8 ou 9 estudantes com disponibilidade para participar da palestra em período integral (8h às 12h e 13h às 17h).

A entrada será um livro de literatura infantil, novo ou usado (doação voluntária)

Os estudantes do curso de Licenciatura em Ciências interessados em participar da palestra devem fazer contato com o coordenador do curso, professor Emerson, apenas por e-mail (joucoski@gmail.com) até quinta-feira, 23/03/2017, às 14h. Atenção: somente serão aceitos e-mails postados até às 14h do dia 23/03/2017 e o número de vagas será preenchido por ordem de envio do e-mail. Portanto, quanto antes o interessado enviar o e-mail solicitando a participação, antes terá sua vaga garantida. O nome dos interessados contemplados será disponibilizado neste post em 23/03/2017 a noite.

Na sequência, informações adicionais relativas à palestra:

Palestra: Sexualidade e Gênero no Contexto Escolar e Bullying Escolar.
Local: Centro de convenções do Hotel Sesc Caiobá.
Publico: Professores
Data: 31/03/2017 (sexta feira)
Horário: 08h00min as 12h00min e 13h00min as 17h00minhrs. Carga Horária: 8 horas.
Vagas: 50 (confirmar até o dia 23/03)

Obs: Cada participante deverá trazer um livro de literatura infantil novo ou usado (doação voluntária).

Conteúdo Programático:
– Etimologia do bullying;
– Pesquisas e estatísticas;
– Critérios de identificação dos atos de bullying;
– Tipos de bullying;
– Bullying e sexualidade;
– Grupos envolvidos e suas dinâmicas;
– Direitos humanos, gêneros e diversidade sexual;
– Genealogia da moral e sexualidade;
– Legislação e normas;
– Diagnóstico: sintomas e consequências;
– Etiologia do comportamento agressivo;
– Intervenções, procedimentos e encaminhamentos;
– Práticas pedagógicas preventivas;

Palestrante: Benjamin Horta – Filósofo, pedagogo, pesquisador em Psicanálise, especialista em Bullying Escolar, e educação e Direitos Humanos. Trabalhou durante 4 anos na Inglaterra desenvolvendo projetos para a melhoria de habilidades sociais de crianças e adolescentes. É fundador da ABRACE – Programas Preventivos, professor da Escola de Inovação Pública e colaborador nas ações da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e outras violências.