ABRACE

Abrace Programas Preventivos

out 18 Projeto que combate bullying na internet é lançado em escolas do Paraná.

Iniciativa é da Abrace Programas Preventivos com o apoio da Copel Telecom

internetsembullying-abrace-copeltelecom_

Com o objetivo de combater o bullying virtual e também nas escolas, a Abrace Programas Preventivos e a Copel Telecom lançaram a campanha “Internet Sem Bullying” para alunos, pais e professores de escolas em todo o Paraná. A ideia é levar às instituições palestras educativas e cartilhas informativas para orientar as famílias a se prevenirem deste tipo de problema, ao coibirem as ofensas e promoverem o uso ético da internet.

A campanha teve início nesta terça-feira (17) na Escola Estadual Ângelo Trevisan, no bairro Cascatinha, em Curitiba. Para a diretora Maria Gorete Stival Paula, o projeto é muito importante para explicar aos alunos o que é o bullying e como evitá-lo. “Os estudantes gostaram muito da palestra, os profissionais são bem capacitados para falar sobre o assunto. Infelizmente, nós enfrentamos esses casos aqui, inclusive com o mau uso da internet. Acredito que, com essa iniciativa, a semente plantada em cada um será dividida e compartilhada para que possamos vencer essas situações”, comentou ela em entrevista à Banda B.

Segundo especialistas, 20% dos estudantes já praticaram bullying no ambiente escolar, enquanto 42% sofreram esse tipo de violência enquanto estavam online. Ele atinge alunos e educadores e desponta como uma forte causa para dificuldades de concentração e desenvolvimento.

O pedagogo e diretor da Abrace Programas Preventivos, Benjamim Horta, destacou a importância de se combater e prevenir também o bullying pelo ambiente virtual. “Com o constante aumento do uso de smartphones entre crianças e adolescentes, o ato de bullying ganha um novo cenário, deixando de ser praticado somente no ambiente escolar e tornando-se cada vez mais frequente nos ambientes virtuais. O ato de ameaçar, xingar, intimidar e prejudicar a reputação de alguém através da internet caracteriza-se como cyberbullying, algo que precisamos combater”, afirmou.

Ao apoiar o projeto, o gerente de comunicação da Copel Telecom, Ronie Oyama, compartilha das mesmas ideias de Horta. “A intenção é estender essa iniciativa para o maior número de pessoas possível. Os alunos inclusive assinam os nomes em um termo de compromisso, se comprometendo a não praticar essa violência com os colegas. Até dezembro, pretendemos levar o projeto a duas mil crianças. A primeira fase acontecerá em 10 escolas”, comentou.

Prevenção como chave para um país sem bullying

Com o passar do tempo, as consequências dramáticas de tais ações e a impunidade que lhes acobertava deram destaque à necessidade de discutir o tema de forma mais séria. No ano passado, entrou em vigor, em todo o território nacional, a Lei do Programa de Combate à Intimidação Sistemática. Na prática, a lei 13.185 define o que é bullying e como as escolas devem agir para evitá-lo. Em suma, todo ato de violência física ou psicológica praticado por uma ou mais pessoas na tentativa de intimidar e agredir alguém deve ser combatido pelas instituições de ensino por meio de programas de prevenção e conscientização.

Há muito trabalho pela frente para mudar a perspectiva de violência no Brasil. Uma pesquisa presencial realizada pela Abrace – Programas Preventivos traz dados importantes para entender melhor o cenário: 95% dos alunos desconhecem a gravidade do bullying, enquanto 67% sequer sabem o significado da palavra.

Fonte: Banda B

set 10 Copel Telecom e Abrace Programas Preventivos juntos no combate ao cyberbullying

Com apoio e prevenção, “Internet Sem Bullying” luta contra o cyberbullying no ambiente escolar

internetsembullying-copeltelecom-abraceprogramaspreventivos

Visando proporcionar bem estar aos jovens e familiares por meio de ações orientações que promovam educação digital, a Abrace Programas Preventivos em parceria com a Copel Telecom, lançam a campanha intitulada “Internet Sem Bullying. Com uma grade de cursos de capacitação aos colaboradores da Copel Telecom, palestras aos docentes de escolas municipais, cartilhas informativas para pais e alunos, além de várias interações em todo o Paraná, o projeto tem o objetivo de reduzir e prevenir a prática do cyberbullying e ofensas virtuais, além de orientar famílias a se prevenir deste problema, promovendo o uso ético da internet para que a situação de violência na web se torne uma página virada na vida de jovens.

O pedagogo e diretor da Abrace Programas Preventivos, Benjamim Horta, destaca a importância de se combater e prevenir também o bullying pelo ambiente virtual: “com o constante aumento do uso de smartphones entre crianças e adolescentes, o ato de bullying ganha um novo cenário, deixando de ser praticado somente no ambiente escolar e tornando-se cada vez mais frequente nos ambientes virtuais. O ato de ameaçar, xingar, intimidar e prejudicar a reputação de alguém através da internet caracteriza-se como cyberbullying. 42% dos estudantes sofreram alguma forma de bullying enquanto estavam online. 1 em cada 4 sofreram mais de uma vez. 35% dos estudantes sofreram ameaças online. 1 em cada 5 sofreram mais de uma vez. 21% dos estudantes receberam e-mails ou mensagens negativas e ameaçadoras.

“Falar sobre bullying e cyberbullying é muito mais que conscientizar alunos sobre as psicodinâmicas escolares que acontecem diariamente no Brasil e no mundo”, explica. “É preciso reconceituar o tema, suas definições e critérios de identificação, com o objetivo de levantar questões que dizem respeito não somente ao que é certo ou errado, bem ou mal. Mas sim ao que é ético, moral e excelente, e de como essas questões podem nos ajudar a compreender a humanidade do ponto de vista autônomo e empático, possibilitando a reumanização da sociedade”, finaliza Horta.

jul 24 Unidades do Colégio SEB Dom Bosco iniciam o projeto Escola Sem Bullying, em Curitiba/PR.

escola_sem_bullying_seb_dom_bosco_curitiba

Durante o último sábado (22 de julho), os professores, coordenadores e diretores das unidades Dom Bosco Ahú e Mercês de Curitiba/PR estiverem presentes na capacitação “Práticas Pedagógicas de Prevenção ao Bullying”, palestra que inicia o projeto Escola Sem Bullying da Abrace Programas Preventivos, e que está sendo implementado na instituição a partir deste mês.

O encontro teve como objetivo dar início ao processo de conscientização dos professores contra a prática do bullying no ambiente escolar. Durante quatro horas, a equipe aprendeu sobre os fundamentos práticos do bullying, além da etiologia e as causas do comportamento agressivo entre crianças e adolescentes.

O “Escola Sem Bullying” possui 12 etapas e tem a proposta de reduzir em até 94% os índices de violência nas instituições escolares participantes. Por meio de várias atividades, a iniciativa valoriza a sensibilização e a conscientização dos alunos a respeito do bullying dentro e fora da escola, ao passo em que reforça a importância da igualdade, da solidariedade, bem como da consciência ética e moral.

A Abrace Programas Preventivos

Fundada por Benjamim Horta, a Abrace – Programas Preventivos é uma empresa que auxilia escolas e instituições de ensino na criação e aplicação de projetos que visem ampliar o desenvolvimento das potencialidades dos alunos, por meio ações que promovam o reforço de valores essenciais à formação integral do indivíduo. Estes projetos enfatizam essencialmente a prevenção e combate ao bullying e outras formas de violência, promoção de saúde socioemocional, prevenção ao assédio moral e ações de valorização e promoção da vida.

Criada há mais de seis anos, a Abrace é fruto de extensas pesquisas realizadas no Brasil e Reino Unido, que resultaram na criação de metodologias próprias, que têm se mostrado cada vez eficazes ao longo dos anos, utilizando demandas da sociedade contemporânea como uma oportunidade formativa e obtendo como resultado escolas mais solidárias e reumanizadas.

Atualmente, a Abrace Programas Preventivos possui convênios com diversas instituições como FIEMG, FIEP, Grupo SEB, Rede Filhas de Jesus, Sistema Bernoulli, Pitágoras, OAB – SP, dentre outras, além de ser a instituição responsável pelas ações da Frente Parlamentar de Combate ao Bullying e Outras Formas de Violência, no Congresso Nacional. O árduo trabalho realizado por esta instituição tem possibilitado diariamente a conscientização e transformação da vida de centenas de estudantes ao redor do Brasil, promovendo bem estar individual e coletivo.

 

jul 9 Secretaria de Educação de Suzano-SP promove palestra do projeto Escola Sem Bullying na E.M. “Liuba Pizzolito”

escola_sem_bullying_abrace_programas_preventivos_suzano_sao_paulo_benjamim_horta

A Prefeitura de Suzano-SP promoveu na Escola Municipal (E.M.) “Liuba Pizzolito”, localizada no Jardim das Lavras Mirim, uma palestra sobre Bullying. Em parceria com a Fundação Abrace – Programas Preventivos, a rede municipal de ensino colocou a ação em prática na sexta-feira (30 de junho) dentro do projeto “Escola sem Bullying”. Na oportunidade, o público teve acesso a subsídios teóricos e metodológicos sobre a inserção da temática no cotidiano escolar.

O “Escola Sem Bullying” tem a proposta de reduzir em até 94% os índices de violência verbal nas instituições escolares participantes. Por meio de várias atividades, a iniciativa valoriza a sensibilização e a conscientização dos alunos a respeito do bullying dentro e fora da escola, ao passo em que reforça a importância da igualdade, da solidariedade, bem como da consciência ética e moral.

De acordo com o secretário municipal de Educação, Nazih Youssef Franciss, a prática do bullying nas unidades de ensino pode render prejuízos devastadores para toda a comunidade escolar. A falta de programas de prevenção nas escolas e, consequentemente, a ocorrência dos casos de agressão verbal, podem causar sérios danos às vítimas e a seus familiares, conforme reitera o gestor.

Ao final dos trabalhos, alunos participantes receberam um livro sobre a temática abordada.  

A Abrace Programas Preventivos

Fundada por Benjamim Horta, que ministrou os trabalhos voluntários na escola “Liuba Pizzolito” na sexta-feira, a Fundação Abrace tem a prerrogativa de transformar os ambientes sociais, como escolas, empresas e órgãos públicos, com o objetivo de melhorar as relações interpessoais. Com sede em Curitiba-PR, a entidade defende a prática da saúde emocional por meio de cursos, programas preventivos, treinamentos, palestras e atendimento clínico.

Horta é pedagogo, especialista em Filosofia e Direitos Humanos e estudante contínuo de Psicanálise. Começou a trabalhar na área da Educação na Inglaterra, onde morou por quatro anos. De volta ao Brasil, criou a Fundação Abrace, pela qual lidera projetos na área educacional voltados a políticas preventivas de violência escolar, assédio moral e promoção da saúde emocional.

Fonte: http://suzano.sp.gov.br/web/secretaria-de-educacao-de-suzano-sp-promove-palestra-sobre-bullying-na-e-m-liuba-pizzolito/

abr 27 Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying é instalada na Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados instalou, hoje (27), a Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e outras Formas de Violência em parceria com a Abrace Programas Preventivos. Criada e presidida pelo deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP), a intenção é desenvolver um trabalho conjunto entre pais, professores, especialistas e legisladores para disseminar a cultura de paz a começar do ambiente escolar.

“Os reflexos do jogo Baleia Azul e da série 13 razões, da Netflix, demonstram que nós precisamos lançar um olhar de mais atenção para o que está acontecendo no universo da criança e do adolescente. Esta frente tem papel fundamental na identificação de propostas legislativas que tenham a pretensão de levantar muros de proteção, como também de mobilização do Parlamento para provocar o Executivo, propondo políticas públicas de prevenção em forma de campanhas, além de buscar diálogo com a sociedade, com o Ministério Público, com o Judiciário, entre outras instituições”, defendeu Lucena.

O parlamentar, que criou e presidiu a mesma frente na legislatura passada, lembrou que a atuação da frente foi muito importante na aprovação da lei de combate ao Bullying (Lei nº 13.185). A nova norma caracteriza claramente as situações de agressão física, psicológica e moral que podem ser consideradas bullying e estabelece regras para definir casos de intimidação realizados por meio da internet.

Durante o evento, foi realizado o seminário “Bullying: da urgência à oportunidade formativa”. O diretor da Abrace Programas Preventivos, Benjamin Horta, explicou que bullying é um conjunto de ações agressivas, intencionais e repetitivas, adotados por um ou mais alunos contra outros alunos. “O aluno está sofrendo bullying quando é exposto a ações negativas de forma repetitiva e apresenta nesta dinâmica dificuldades de se defender”, disse.

benjamim_horta_abrace_programas_preventivos_bullying_frente_parlamentar

Benjamim Horta – diretor da Abrace – Programas Preventivos, instituição responsável pelas ações de combate ao bullying junto à Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e Outras Violências.

Já a professora do Departamento de Psicologia da UFPR), Dra. Lis Soboll, afirmou que a sociedade hoje está centrada nos valores do “reino do dinheiro” onde o trabalho, consumo e tecnologia são fontes de identidade e que há uma crise na relação com o outro. “A consequência são crianças e jovens órfãos de pais ricos e com a sua identidade fragmentada. É uma crise de identidade extremamente danosa”, disse Soboll.

Uma ferramenta virtual colaborativa será disponibilizada para traçar ações e disseminar boas práticas, buscando fortalecer parcerias e dar apoio direto aos profissionais da área.

Sobre o Bullying no Brasil

Pesquisa realizada pelas Nações Unidas mostra que quase metade (43%) das crianças e jovens brasileiras já sofreu bullying por razões como aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem. A taxa é semelhante a outros países da região: Argentina (47,8%), Chile (33,2%), Uruguai (36,7%) e Colômbia (43,5%). Em países desenvolvidos, a taxa também gira em torno de 40% a 50%, como é o caso de Alemanha (35,7%), Noruega (40,4%) e Espanha (39,8%). O levantamento foi realizado no ano passado com 100 mil crianças e jovens de 18 países.

1 2 3 14