ABRACE

Programas Preventivos

jul 22 Abrace – Programas Preventivos e FIEMG na luta e prevenção ao bullying escolar.

Nestes últimos dias 16 e 17 de julho, a Abrace – Programas Preventivos palestrou em duas unidades SENAI, Contagem e Belo Horizonte.

A palestra abordou o tema da prevenção ao bullying e violência escolar. Benjamim Horta – Diretor da Abrace – Programas Preventivos falou durante duas tardes para professores, pedagogos e responsáveis pela educação no Estado.

Unidade de Contagem-MG

Unidade de Contagem-MG

Bullying_abrace_palestra_BenjamimHorta_Abrace_Programas_Preventivos_alunos

Bullying_abrace_palestra_BenjamimHorta_Abrace_Programas_Preventivos_contagem

 

 

jul 9 Abrace – Programas Preventivos lança livro paradidático.

A Abrace – Programas Preventivos fará neste mês o lançamento do livro paradidático “Meu nome é Pedro”. O livro é uma ficção, e conta a história de um adolescente que enfrenta diariamente desafios e perseguições no colégio em que estuda devido às suas características físicas. Quando se muda para outra cidade, os desafios se tornam mais intensos, até o momento em que a realidade do bullying é trazida à tona.

O livro foi escrito com intuito de auxiliar jovens e adolescentes a compreender e enfrentar o bullying e outras formas de violência no ambiente escolar, e também a lidar com questões relacionais e existenciais que surgem na adolescência. O livro é voltado para alunos do Fundamental 2 e Ensino Médio, e faz parte do projeto Escola Sem Bullying realizado pela Abrace – Programas Preventivos.

Caso tenha interesse em realizar o projeto em sua escola ou município, fique à vontade para fazer contato através do email contato@programasabrace.com.br

Meu_nome_e_pedro_abrace_programas_preventivos_bullying_benjamim_horta

maio 22 A importância de programas preventivos contra o bullying nas escolas.

Só se sabe a importância de um programa preventivo contra o bullying quem realmente foi ou é vítima desta violência. Pode-se até imaginar a necessidade ou até se compadecer diante desta situação, porém as pessoas que sofrem ou sofreram sabem o quanto um trabalho bem feito de prevenção pode mudar vidas.

A prevenção é e sempre foi a melhor forma de combater esta prática, visto que na intervenção do bullying o indivíduo geralmente já obteve alguns danos psicológicos. Na prevenção pode-se evitar sofrimentos psíquicos ainda maiores.

Acredita-se que prevenindo atitudes e eliminando comportamentos agressivos seja possível formar cidadãos sensatos, livres de preconceitos, determinados e mais seguros, que saibam lidar melhor com o cotidiano sem fazer o uso de agressões físicas, verbais e psicológicas.

Adolescente que sofre bullying escolar

Empresas de Programas Preventivos como a Abrace, que tem a finalidade de atender a sociedade principalmente no âmbito escolar mostram estatisticamente que a realidade do bullying está presente em escolas públicas, privadas, independente da faixa etária, nível socioeconômico e cultural.

Programas assim resolvem e amenizam não somente a situação da escola, mas de uma sociedade que vem adoecendo por conta de agressões verbais que culminam em agressões físicas e consequentemente abalam a estrutura psíquica do sujeito afetado.

É preciso que a agressão de hoje seja evitada, para que o agredido não possa se transformar no agressor amanhã gerando um ciclo constante entre agressor x agredido.

Mônica Condessa e Yuna Prado – Pedagoga e Psicóloga.

maio 16 CEO da Abrace – Programas Preventivos palestra em escola estadual.

Benjamim Horta, Filósofo, Educador, e Especialista em Bullying Escolar palestrou durante esta semana para aproximadamente 300 alunos da sexta, sétima e oitava séries da Escola Estadual Geraldo Teixeira da Costa, em Santa Luzia/ MG.
O CEO da Abrace – Programas Preventivos, que também foi aluno da escola falou sobre o perigo do bullying e como ele pode ser evitado, além de evidenciar a concientização do problema entre os agressores e vítimas.

Clique na foto para ampliá-las.

mar 11 Vítimas de bullying infantil têm mais doenças.

Vítimas de bullying na infância têm seis vezes mais chances que outras pessoas de desenvolverem uma doença séria na idade adulta. A afirmação é de uma pesquisa realizada em conjunto pela Universidade de Warwick, no Reino Unido, e pela Duke University Medical Center, nos EUA.

imagem25

Segundo o jornal “Daily Mail”, o estudo analisou três perfis distintos no bullying: do agressor, da vítima e da vítima –agressora. O terceiro perfil, no qual o indivíduo passa a hostilizar os outros depois de ter sido humilhado, foi o mais problemático.

Além de problemas de saúde, este grupo foi o mais suscetível a ter fumantes ou pessoas afetadas por problemas psiquiátricos.

Apesar dos agressores serem os que menos apresentaram problemas na idade adulta, todos os grupos mostraram ter dificuldades em construir relações sociais, manter um emprego ou fazer economia do que as pessoas que não se envolveram em algum tipo de bullying.

 

 Fonte: Hoje Mais