No dia 02 deste mês, representantes dos policiais federais de diversas carreiras do serviço público e especialistas em relações de trabalho, reuniram-se no auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados, para a realização do Seminário Combate ao Assédio Moral na Administração Pública, promovido pela Comissão de Legislação Participativa (CLP). O evento atendeu à solicitação dos profissionais de segurança pública da Federação Nacional dos Policiais Federais – FENAPEF e do Sindicato dos Policiais Federais no Distrito Federal – SINDIPOL/DF.

Advogados, filósofos, psicólogos, sociólogos, policiais federais, técnicos em assuntos educacionais, policiais civis, rodoviários federais e militares foram unânimes ao cobrar o encaminhamento de um marco legal para coibir e prevenir o assédio moral no ambiente profissional.

Abrace_Programas_Preventivos_BenjamimHorta_AssédioMoral_Sindol-MG

Durante todo o dia a necessidade de implementação de uma norma que regulamente a punição daqueles que praticarem assédio moral, foi evidenciada por todos os expositores. Flávio Werneck, presidente do SINDIPOL/DF apontou casos ocorridos na Polícia Federal, destacando a possibilidade da existência de um assédio moral (terror organizacional) coletivo institucionalizado no âmbito do DPF.

Benjamim Horta, diretor da Abrace – Programas Preventivos,  defendeu a importância de defesa coletiva e a solidariedade entre os colegas de trabalho no combate ao assédio moral.

Abrace_Programas_Preventivos_BenjamimHorta_AssédioMoral_Sindol-MG_bullying

Benjamim Horta – Diretor da Abrace Programas Preventivos falando sobre assédio moral.

Jesus Camaño, diretor lembrou a Portaria Interministerial número 02 de 2010, que “garante” aos policiais federais o atendimento psicossocial, ressaltou que embora seja bela e se efetivada traria resultados positivos e melhorias significativas no ambiente de trabalho, ela precisa sair do papel.

Fonte: Sindpol-DF
Fotos: Filipe Brasileiro

Comments

comments